sábado, 9 de abril de 2011

Ontem na Paulista

diacrianos.blogspot.com



Estranho!
Esta perplexidade que me assola
Não é novata mas, desconcerta.

Ouvi relatos de mães que choraram horas a fio
Apenas por pensarem no futuro dos filhos.

Ontem, parado numa esquina da Paulista
Prestei atenção nos rostos dos transeuntes.
Estranho que, pela primeira vez, tenha me sentido em casa.
Não que eles estivessem a comungar comigo aquela mesma emoção.
Emoção que não sei definir – sinto-me estranho, entendem?
Mas pelo fato de que senti, ali, naquele pedaço de mundo,
O quanto somos humanos, mortais e frágeis.

Pela primeira vez senti-me igual no desconforto
Igual a todos aqueles que passaram naquela esquina erma.
Não pensei na humanidade, na massa imensa de seres
Que povoam este pedaço de rocha imerso na imensidão do espaço
Pensei apenas nos que meus olhos naquele instante seguiam.
Todos, humanos, mortais e frágeis, nós, tão empenhados no dia a dia.

Nada se interpunha entre nós.
Nada nos impedia de aguardarmos o sinal
Nada nos impedia de atravessarmos a faixa de pedestres.
Nada nos impedia de realizarmos nossos negócios e afazeres.
Nada nos impedia de colocarmos o mundo em funcionamento
A garantir o dia seguinte, a hora seguinte, o minuto seguinte.
A garantir que seguiremos todos, sempre, em frente.

Seguir em frente e não olhar pros lados:
Não ver o abismo, ignorar o escuro fosso,
Sermos tão superficiais quanto possível.
Afinal necessitamos de luz, mesmo que explosiva seja
E fugimos das trevas embora as trevas nos persigam
E o abismo continue a um passo, a nos tornar iguais.

Amanhã, alguém providenciará uma placa de alerta
Alguém começará a construção de mais uma barreira.
Novo interdito ganhará a majestade de lei
Haverá certamente quem proponha aterramos o abismo,
Quiça desmatarmos a floresta escura e iluminarmos a noite atômica com mil sóis 
Mas o abismo de nós mesmos, este do qual fugimos
Persistirá em ceifar os melhores instantes das nossas vidas. 


8 comentários:

  1. Cruamente fabuloso, Paulo! Coisas que nos acontegem em meio às gentes... Eu diria que este texto é uma crônica poética, sublime!

    Abração.

    ResponderExcluir
  2. Assino embaixo o comentário do Ricardo Novais: bela crônica poética.

    ResponderExcluir
  3. Seu blog é muito interessante...
    Estou te seguindo.... Tenha um Lindo Dia!
    Siga meus Blogs: http://cartasdeumcoracao.blogspot.com/
    E
    http://deusemminhaalma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Eu direi em minha simplicidade( Ignorância ) que sem toda tua agitação, sem a esquina, sem o abismo sem a preocupação das mães pelo futuro dos filhos, sem o homem que colocará a placa e sem a placa não haverá nada, não haverá você, eu, eles nem a avenida paulista, somente o abismo sem a claridade.
    Íris Pereira.

    ResponderExcluir
  5. Paulo Deo, meu amigo. Como sempre, atento ao dia a dia e suas instabilidades. E expressando seus sentimentos da melhor forma que um poeta poderia fazê-lo. Grande texto. Amei.

    ResponderExcluir
  6. Meu rei passando para desejar-lhe um bom dia com todas as energias positivas possíveis.
    E é lógico dar-lhe meu forte abraço, sou a única mulher a ter um rei de quem não sou a rainha e posso abraço-lo.
    Íris Pereira.

    ResponderExcluir
  7. Quanto de filosofia subjaz na praticidade deste "mundo em funcionamento". 'Que pena!' ou 'Que ótimo!'? Não sei. É tudo "estranho".

    ResponderExcluir
  8. Essa sensação de estranheza que por vezes sentimos frente a vida que se descortina é angustiante. Quando deixamos de ser participantes dessa divina comédia humana e nos tornamos meros expectadores, observando tudo como se fosse de um outro plano.Caímos assim no nosso próprio abismo existencial e entramos em contato com nossos medos mais profundos.
    Na verdade, somos todos humanos e quando nos misturamos à essa massa disforme, aabandonamos nosso próprio ego, nossa identidade e o outro somos nós e nós somos o outro. Momento difícil em que nos livramos das máscaras com as quais nos protegemos e nos vemos nus e no outro reconhecemos a nós mesmos.

    Belo poema, Paulo.
    Aproveito e agradeço suas visitas ao meu blog.

    Muita paz e luz. Namastê.

    ResponderExcluir