Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

sábado, 6 de novembro de 2021

fraude que nos assola

 

A Primeira Missa no Brasil, Glauco Rodrigues, 1980


ê brasil

e olha que aceito tal nome

e até esqueço das palmeiras

de Pindorama

vermelho brasil, lembra?

em pelo

comedor de gente

 mas não de qualquer um

guerreiro vaidoso

festeiro

que sabia se embebedar

amar, fornicar

e cultivar a crença de uma terra sem males

esse pai brasil, filho da mãe, era de todos

naqueles tempos


ê barro encarnado, agora

misturado ao branco e ao preto

por obra e graça adversa

sois origem do prisma reverso

capaz de recompor o poema

e revelar o mistério

da fraude que nos assola



sábado, 5 de junho de 2021

Eterno Retorno

 

Man of Sorrows, Dan Witz, 2011


Ah... Meu coração,

quem nunca amou

não merece ser amado

Vinicius de Moraes/Tom Jobim



Destrói Deus em nome de Deus

Destrói a Pátria em nome da Pátria

Destrói a Família em nome da Família…


E tal qual numa manchete sensacionalista

Em que mata a família e vai ao cinema

É visto por aí

Num rolê de moto

Em meio a turba

Com um sorriso suado nos lábios

Atravessando as ruas da cidade...


(Cidade que só é maravilhosa

Na língua dos poetas

Dos tais imersos em amarga dor

Embriagados

Com um futuro impossível de dessonhar)


Enquanto no rádio toca Carmem

- “Oh, que terra boa pra se farrear”

E emenda o “Rei”:

- “Eu fico triste só de pensar em ti perder

Por isso, meu bem, até juro

De nunca

em nada mudar”.





sábado, 20 de junho de 2020

artigo de luxo

A Primeira Missa no Brasil, Victor Meirelles, 1861




o brasil precisa voltar aos bancos escolares

mas escola já não há

chamem os velhos

mas como, se foram esquecidos

e quanto aos índios

os índios acabaram soterrados pelo cálculo

os aliens?

        – difícil, eles não mostram a cara

então, professemos a doutrina dos espíritos

talvez através da reencarnação tudo será justificado


ah, essa vocação

de alvejar ainda mais a branquidade tropical

açoitando as costas dos pretos pobres periféricos


pois é, o brasil

        cidadania tão cara

        gincana de traquinas

tesouro perdido

ainda se borra de medo dos seus fantasmas

e acha que pode chegar a ser alguém

distante da sua própria história


eu, por mim, dava por finalizado este ato

mas, o cordeiro que habita entre nós

adora exibir seus caninos

enquanto aponta sua 12 na direção do meu peito

em nome do seu verbo

da sua liberdade de expressão

que, tal e qual um purgante

tem nos descido goela abaixo

e nada de evacuarmos os vermes